QUAL A PERGUNTA MAIS IMPORTANTE DA VIDA? – RABINO KALMAN PACKOUZ

Rabino Kalman Pa


Muitas pessoas me perguntam: Qual a mais importante pergunta da vida? Talvez seja: Será que D’us existe? Se a resposta for afirmativa, então existe grande possibilidade de que D’us criou o mundo com um propósito e, consequentemente, nossas vidas têm algum significado. Se não existe um D’us, então tudo foi criado ao acaso e sem nenhum sentido, e o único propósito em nossas vidas é aquele que decidirmos adotar.

Se existe um D’us, então muito provavelmente deve haver consequências geradas por nossos atos. D’us pode ter um padrão de comportamento que Ele espera que sigamos e, se não o fizermos, então também há consequências. Se não há um D’us, então a única coisa com que precisamos nos preocupar é a justiça dos humanos. Como diz o provérbio: Se não existe D’us, então não existem Dez Mandamentos, mas apenas um: Não seja pego! .

Há pelo menos mais quatro possibilidades(1) Nunca pensarmos muito sobre esta questão;  (2) Escolher acreditar em D’us, mas sem pensar sobre as consequências;  (3) Acreditar em D’us e pensar que a maneira como decidimos levar nossas vidas é exatamente como Ele quer que vivamos; ou (4) Acreditar em D’us e acreditar que existe um documento que revela as vontades Dele.

Existem vários motivos pelos quais muitas pessoas não acreditam ou não querem acreditar em D’us, e resistem em investigar se Ele existe(1) Por que existe o mau no mundo e coisas ruins acontecem a pessoas boas;  (2) Elas encaram a crença em D’us como uma muleta para aqueles perdedores que não conseguem ter sucesso sozinhos;  (3) Se há um D’us, isto implica que há um propósito na criação, além de valores e princípios a serem seguidos e algumas restrições, também. Mas muita gente não gosta de ter restrições em suas vidas.

Entretanto, mesmo que alguém tenha questões sobre como D’us dirige o mundo ou seja uma pessoa que não quer restrições em sua vida, isto não muda uma realidade bem objetiva: Ou D’us existe ou não. O fato de ela acreditar não, não faz diferença em relação a se D’us realmente existe.

Será que faz sentido insistir na questão se há ou não um D’us que criou, sustenta e supervisiona todo o universo e que distribui recompensas e castigos? Será que faz sentido insistir na questão se a Torá é um texto revelado pelo Todo-Poderoso para nos instruir como dirigir nossas vidas?

Certa vez ouvi casualmente uma pessoa orgulhosamente proclamando: Sou um ateu! O Rabino respondeu:Fabuloso! Sempre quis encontrar um verdadeiro ateu. Você sabe que um ateu é uma pessoa que tem evidências que não existe um D’us? Quais são suas provas? O jovem respondeu: Ah, na verdade penso que sou um agnóstico. O Rabino respondeu: Que pena! Estava realmente entusiasmado com a ideia de encontrar um ateu, mas um agnóstico também é uma boa opção! Você sabe que um agnóstico é a pessoa que tem evidências de que não dá para saber se existe um D’us ou não? Quais são suas evidências? O rapaz ficou sem graça e respondeu: Na verdade, acho que nunca me aprofundei muito sobre este assunto.

Provavelmente muitos de nós nunca prestaram tanta atenção a esta questão ou pensaram sobre as razões sobre o porquê acreditamos em D’us, se é que o fazemos. Na verdade, o primeiro dos Dez Mandamentos é a origem desta Mitsvá (mandamento) Saiba que D’us existe. Todos são obrigados a investigar esta questão e esclarecer as evidências sobre a existência de D’us. Isto é diferente da . A fé é um salto emocional para se chegar a uma conclusão. Já a crença é um ponto numa linha contínua entre nenhum conhecimento e o conhecimento absoluto. Quanto mais evidências tivermos sobre a existência de D’us, mais forte será nossa crença.

Como podemos investigar mais obre estas duas questões? Para a pergunta Será que existe um D’us?, recomendo-lhes o livro (em inglês) Permission to Believe, de autoria de Lawrence Kelemen. Sobre a pergunta: Será que D’us deu a Torá?, indico-lhes o livro Permission to Receive, do mesmo autor (disponíveis emwww.targum.com/section.php/106/1/kelemen–lawrence).

Além disto, ouçam também nossas palestras sobre o tema em ShabbatShalomAudio.com!


ENCARANDO AS DIFICULDADES

Dvar Torá:     baseado no livro Growth Through Torah, do Rabino Zelig Pliskin

           A Torá declara: Minhas ordens vocês devem seguir e Meus estatutos devem observar, para andar com eles, Eu sou o Eterno, vosso D’us (Vaikrá 18:4). O que a Torá quer dizer com andar com eles?

           O Ktáv Sofer, Rabino Avraham Biniamin Sofer (Hungria, 1815-1871) comentou que a expressão andar com eles significa que a pessoa deve andar de um nível para outro, isto é, cada pessoa deve, constantemente, crescer e elevar-se, galgando novos patamares.

           Não é suficiente manter-se no mesmo nível em que se estava no dia anterior. Pelo contrário, a cada dia devemos conquistar uma ascensão maior do que a do dia anterior. Quando testes difíceis nos aparecerem, nem sempre os apreciamos. Porém, o único modo de continuarmos nos elevando é superar mais e mais testes difíceis na vida.

          Encaremos cada dificuldade como um meio de nos aprimorar, aplicando em cada situação o princípio da Torá mais adequado. Ao final de cada dia, façamos a seguinte pergunta a nós mesmos: O que fiz hoje para me elevar um pouquinho mais? Se não conseguir achar uma resposta, pergunte-se então: O que posso planejar fazer amanhã para me elevar a um patamar mais alto do que o que estou hoje?.


Pensamento da Semana: “Todos podemos aprender do tempo: ele não dá atenção às criticas indevidas” 


 RABINO KALMAN PACKOUZ – Da Aish Há Torá, é o criador do Meór Hashabat, boletim  semanal com prédicas. Saiba mais.

NOTA:- Desejando contribuir para o Meor Hashabat acesse o www.aishdonate.com  – Email -meor18@hotmail.com