MISTURANDO AS BÊNÇÃOS – RABINO ARIEH RAICHMAN | Glorinha Cohen

MISTURANDO AS BÊNÇÃOS – RABINO ARIEH RAICHMAN

306_história_4_1Todo dia é um novo dia, e cada mitzvá é uma nova ação. Para nós, sentir que o que foi feito ontem não afeta hoje, precisamos nos concentrar no que está na nossa frente. Há o tefillin diante de mim e com ele posso me conectar com D-us neste momento.


Coloquei Tefillin por quase 6.000 vezes na minha vida, mas hoje foi muito especial. Ontem, conheci um homem chamado Mordechai, que não havia colocado Tefillin em muitos anos. Na verdade, quando ele estava no exército americano durante a Segunda Guerra Mundial, ele colocava Tefillin todos os dias. No entanto, agora aos 88 anos, passaram-se muitos anos desde a última vez que os colocara. Quando colocamos o Tefillin, ele não removeu o sorriso do rosto. Ele começou a dizer a bênção, mas ao invés de dizer “… para colocar o Tefillin”, ele disse “… para acender as velas Shabat”.

Mordechai me ensinou que nenhuma mitzvá pode ser feita por hábito, pois cada mitzvá precisa de sua concentração adequada. Então, cedo nesta manhã, quando coloquei tefillin, senti que era algo especial e diferente. Ao fazer algo constantemente pode-se perder a chama do entusiasmo, mas ouvir ou fazê-lo pela primeira vez deixa a pessoa empolgada.

Quando nossa Matriarca Sara ouviu que seu único filho, Isac, quase morreu, teve um ataque cardíaco e faleceu. Foi uma notícia chocante demais para ela ouvir. No entanto, quando D-us falou com Abraão, ele conseguiu lidar com a notícia e cumprir a missão. Vamos dar uma olhada na conversa deles:

D-us: “Por favor, pegue seu filho”.

Abraão: “qual filho”?

D-us : “Aquele que você ama”.

Abraão : “Eu amo os dois”.

D-us: “Isac. E vá à terra de Moriá e o ofereça ali como oferenda (queimada) em uma das montanhas que Eu lhe direi”.

A conversa com D-us, deixa Avraham se acostumar com a ideia de fazer algo com seu filho, para D-us. Quando uma pessoa se acostuma com algo, ele pode até matar seu próprio filho, D-us o livre. Durante o holocausto, um nazista se voltou para outro nazista perguntando: “Como podemos matá-los”? “Apenas faça uma vez e você vai se acostumar com isso”, retrucou o outro nazista. As relações entre cônjuges ou em locais de trabalho podem ser problemáticas quando alguém fica muito confortável com o outro e maltrata-o. Então, qual é o segredo para manter o relacionamento fresco o tempo todo?

Mordechai nos ensinou a resposta, quando ele disse a bênção errada sobre o Tefillin. Todo dia é um novo dia, e cada mitzvá é uma nova ação. Para nós, sentir que o que foi feito ontem não afeta hoje, precisamos nos concentrar no que está na nossa frente. Há o tefillin diante de mim e com ele posso me conectar com D-us neste momento. É melhor pensar sobre D-us e o mandamento antes de colocá-los. Existe uma esposa que está aguardando minha ligação, a quem devo dar atenção absoluta. Em todos os relacionamentos e mitzvot, a perspectiva e a concentração com o que está na minha frente fará com que a vínculo seja feito.

Como um bom amigo Isaac B. uma vez disse: “Eu estava em uma sinagoga rezando quando um homem entrou, mas não orou com o resto de nós. Ele estava pensado profundamente. Após a oração, perguntei-lhe porque ele não rezou. Ele disse: “Minha mente está em outros pensamentos, como posso rezar para D-us? Estou trabalhando para resolver os pensamentos e, em alguns minutos, vou rezar”. Que todos possamos ser bem-sucedidos em nos concentrar com quem estamos prestes a interagir ou no que vamos fazer.

Shalom.


Rabino Arieh Raichman – Nasceu em Houston, Texas, e estudou em várias Yeshivot da Argentina, Brasil e Estados Unidos. Recebeu sua Smicha- Certificado de Rabino da Rabbinical College of America, e também é formado em Mohel. Desde 2009, juntamente com sua esposa e quatro filhos, é o emissário de Chabad em Manaus, Amazonas.

Fonte: Manews – chabadmanaus@gmail.com – Beit Chabad Manaus – www.chabadmanaus.com