MEU FILHO QUER SER COMO EU – RABINO ARIEH RAICHMAN | Glorinha Cohen

MEU FILHO QUER SER COMO EU – RABINO ARIEH RAICHMAN

314_historia_2_1Hoje em dia, existem muitas influências que afetam nossos filhos. No entanto, a influência número um é o comportamento dos pais. O que a criança vê, ela imita.


Esta semana, estava ensinando a uma criança o Alef-Bet (o Alfabeto hebraico). Juntos, fizemos cartões com a letra em um lado e no outro a pronúncia. Pedi-lhe para escrever a pronúncia do jeito que ele acha que deveria ser escrito. Com seus olhos me encarando com espanto, ele disse: “Rabino, você sabe soletrar melhor do que eu. Você escreve.” Eu lhe disse que podia, mas se ele fizesse, iria ajudá-lo a aprender o Alef-Bet. É o esforço dele que conta.

A porção da Torá menciona o serviço de acender a Menorá no Templo. Encontramos duas leis muito interessantes relativas a este serviço. 1) Qualquer judeu comum era permitido acender a Menorá. No entanto, apenas o Cohen podia limpá-la. 2) A Menorá deveria ser acesa tanto de noite, como de dia.

Por que a limpeza da Menorá seria considerada um trabalho “mais especial” do que seu acendimento, devendo ser feita apenas pelo Cohen? Qual a necessidade de a Menorá ser acesa de dia, quando há luz do sol?

A resposta está no esforço. Para D’us, o mais importante é o esforço que colocamos. É fácil acender a Menorá, mas limpá-la e prepará-la é que realmente requer esforço. A mesma lição se aplica ao acendimento da Menorá de dia. Não basta que haja luz me iluminando, eu também tenho que iluminar, acendendo a Menorá. É meu esforço em servir a D’us, que libera luz real.

Hoje em dia, existem muitas influências que afetam nossos filhos. No entanto, a influência número um é o comportamento dos pais. O que a criança vê, ela imita. Se estivermos no celular o dia todo, eles também vão querer. Se nós procrastinamos as atividades judaicas, eles farão o mesmo. Eles olham para nós em busca de direção em onde colocar seus esforços. E mesmo quando nos esforçamos no judaísmo, eles observam nossa reação. Estamos sorrindo e felizes com o que estamos fazendo, ou estamos apenas seguindo o povão?

Quando uma criança está doente ou sem certa habilidade, há tratamentos e aulas para ajudá-la a melhorar. O dinheiro é gasto, o tempo é dado e o estresse é sentido durante todo o tempo em que ela está melhorando. No entanto, uma vez bem sucedida, há uma grande alegria! Um judeu saudável, acredite ou não, é 50% material e 50% espiritual. Um corpo físico saudável é uma obrigação, mas uma alma saudável é tão importante quanto. Ninguém quer seu filho, D’us o livre, 50% saudável. Então, vamos ensinar nossos filhos a serem judeus saudáveis, dando exemplo ao colocar mais esforço em nosso judaísmo.

Shalom.


Rabino Arieh Raichman – Nasceu em Houston, Texas, e estudou em várias Yeshivot da Argentina, Brasil e Estados Unidos. Recebeu sua Smicha- Certificado de Rabino da Rabbinical College of America, e também é formado em Mohel. Desde 2009, juntamente com sua esposa e quatro filhos, é o emissário de Chabad em Manaus, Amazonas.

chabadmanaus@gmail.com – Beit Chabad Manaus – www.chabadmanaus.com