A GUERRA MUNDIAL DA SÍRIA – POR FLORIANO PESARO | Glorinha Cohen

A GUERRA MUNDIAL DA SÍRIA – POR FLORIANO PESARO

314_especial_2_1A Guerra da Síria está se provando muito perigosa para Israel. Além de termos os terroristas do Hezbollah ao lado de nossa porta norte, prometendo a destruição de nosso país, o conflito chamou para nosso quintal o perigo de um Irã nuclear.


Há 11 anos começava um conflito que hoje preocupa e envolve os maiores jogadores do cenário mundial.

O que era um conflito entre o governo sírio e rebeldes que queriam derrubá-lo se transformou em uma das maiores carnificinas do século XXI.

A história conta que os rebeldes contra o governo eram, entre si, várias facções com diferentes plataformas e frágeis alianças, mas dispostos a provocar a renúncia do governo para atingir um grau maior de liberdade civil e religiosa.

Num curto período, rebeldes conseguiram fazer frente ao exército de Bashar Al-Assad, mas aliados como a Rússia, o Irã e o grupo terrorista Hezbollah conseguiram que os militares rechaçassem o avanço rebelde.

Hoje, temos vários atores com suas próprias agendas.

De forma resumida, a Turquia quer combater os curdos do norte da Síria, o Irã quer derrotar os rebeldes sírios apoiados pela Arábia Saudita, os EUA estão focados no Estado Islâmico e Putin ganha terreno político ao ‘’enfrentar o Ocidente’’. Alianças e rivalidades se sobrepõem, com apenas um vencedor: Bashar al- Assad. Ele pode estar lutando contra o Estado Islâmico pelo controle da Síria, mas é a ascensão do ISIS que o mantém no poder.

Os dados de fatalidade nesta guerra são grandiosos. Em 2016, de uma população estimada em 22 milhões antes da guerra, a Organização das Nações Unidas (ONU) identificou 13,5 milhões de sírios que necessitam de assistência humanitária, dos quais mais de 6 milhões estão internamente deslocados dentro da Síria e cerca de 5 milhões são refugiados fora da Síria. E a desgraça continua.

A Síria hoje está completamente destruída, desprovida de qualquer estrutura, com suas cidades arrasadas pelas bombas.

O presidente simplesmente escolhe ficar no seu cargo ao invés de garantir a vida de sua população.
Mesmo quando houve conversações para buscar uma paz, Assad simplesmente se recusou a abrir mão da presidência.

Com tudo isso, o mundo deveria se preocupar com o cabedal de armas ilegais e evidentemente perigosas que estão sendo utilizadas ou armazenadas no país.

O presidente não tem o menor pudor em lançar armas químicas contra suas cidades.

Com o apoio tácito da Rússia, ele fez uso destas armas para garantir sua vantagem territorial. Nem mesmo o ataque americano como represália à utilização destas armas, fez com que Bashar se intimidasse e ele continuou a fazer uso deste armamento proibido pelo resto do mundo.

Mais além, Israel denunciou que o Irã fez da Síria uma ponta de lança para seus projetos militares e lançamento de mísseis de última geração.

Numa ação extremamente corajosa, após informações cruciais levantadas pelo seu Serviço Secreto, o Mossad, Israel destruiu mais de 200 mísseis de alta potência.

Os documentos estão aí para provar. A profecia de que o Acordo Nuclear assinado pelo Irã, Alemanha e mais os cinco integrantes do Conselho de Segurança da ONU seria completamente desconsiderado, aconteceu.

A Guerra da Síria está se provando muito perigosa para Israel. Além de termos os terroristas do Hezbollah ao lado de nossa porta norte, prometendo a destruição de nosso país, o conflito chamou para nosso quintal o perigo de um Irã nuclear.

Com toda a desgraça que esta guerra já produziu para o pobre povo da Síria, devemos ficar alertas para que o conflito não se estenda à nossa terra.

Por enquanto, precisamos repudiar com todas as nossas forças o uso de armas químicas e devemos manter um alerta e eliminar qualquer sombra de risco para Israel, mesmo se nossas ações não tenham o aplauso da mídia. Já estamos acostumados com isso.


Floriano Pesaro
Deputado Federal

WHATSAPP: (11) 9 8558 4544
SITE: floriano45.com.br
Facebook: Floriano Pesaro
Twitter: @Floriano45
contato@florianopesaro.com.br