LIVROS: MARRANA! AMOR E INTOLERÂNCIA EM TEMPOS DE INQUISIÇÃO, POR KATIA PESSANHA E A RELAÇÃO EDUCADOR-EDUCANDO, POR ROSA LIDIA PONTES | Glorinha Cohen

LIVROS: MARRANA! AMOR E INTOLERÂNCIA EM TEMPOS DE INQUISIÇÃO, POR KATIA PESSANHA E A RELAÇÃO EDUCADOR-EDUCANDO, POR ROSA LIDIA PONTES

MARRANA! AMOR E INTOLERÂNCIA EM TEMPOS DE INQUISIÇÃO , POR KATIA PESSANHA

319_fique_1_1SINOPSE

Em busca de seu filho desaparecido, Catarina – uma comerciante judia do século XVII – é forçada a deixar a segurança de sua comunidade em Amsterdã e a arriscar sua vida ao retornar às terras de onde seus ancestrais fugiram, perseguidos pela Inquisição por serem marranos, judeus convertidos que ocultamente mantiveram sua fé.

Em clima de suspense, romance e mistério, Marrana! desvenda as origens de boa parte dos portugueses que vieram para o Brasil durante o período colonial enquanto mostra curiosos aspectos do cotidiano feminino daquela época ilustrados por pinturas de mestres da pintura holandesa como Rembrandt e Vermeer.

Descrição

A autora usa o período da Inquisição e a perseguição aos judeus convertidos, cristãos-novos, para explorar, como pano de fundo, o tema da intolerância: como ela nasce, se desenvolve e afeta as relações humanas.

Em tempos de ódios acirrados, haverá espaço para o amor?

Discriminados e perseguidos, os cristãos-novos, chamados pejorativamente de marranos, fugiram em grande número da Espanha e de Portugal (Sefarad) indo para outros países da Europa, do Oriente e da América Portuguesa e Espanhola, no que se convencionou chamar a diáspora sefardita.

Ambientado na Europa do século XVII, o romance tem como personagem principal Catarina de Leon, uma mulher de negócios.

Estranho para a época? Bastante comum em Amsterdã, onde viúvas, em especial, eram donas ou sócias de empreendimentos.

Encontrar seu filho desaparecido é o objetivo de Catarina e para isso, ela vai enfrentar a oposição de sua comunidade mas contará com o apoio de Emanuel Torres, seu sócio no comércio de açúcar.

Torres representa o homem dividido em múltiplas identidades: ora judeu, ora cristão, ora espanhol, ora flamengo e entre Catarina e ele vai se desenvolver um romance sujeito aos sabores dessas divisões.

O nome Marrana! refere-se às mulheres marranas que tiveram um papel fundamental na preservação da fé e da cultura depois da conversão forçada, o que as tornou o principal alvo da perseguição inquisitorial.

Sua história é o resgate da identidade roubada de muitos, uma identidade que, embora não reconhecida, faz parte da formação do povo brasileiro já que estima-se que um terço dos portugueses que para cá imigraram na época colonial fossem cristãos-novos.

Pinturas de mestres da pintura holandesa desse período como Rembrandt e Vermeer ilustram o livro e citações do filósofo Baruch Spinoza abrem cada capítulo.

A AUTORA

Autora de livros de gestão publicados por editoras de renome (McGraw-Hill, Berkeley e Pearson/FGV), Katia Pessanha teve uma realizadora carreira no mundo corporativo em São Paulo e no exterior, atuando com tecnologia, vendas e desenvolvimento de pessoas.

Poetisa e cronista, Marrana! é sua estreia como romancista e exigiu uma entrega tão profunda e prazerosa que Katia terminou por deixar sua carreira corporativa para dedicar-se à literatura.

Em 2009, Katia suspeitou que a família de sua mãe pudesse ser descendente de judeus portugueses e iniciou uma extensa pesquisa genealógica, cultural e histórica que a colocou em contato com reconhecidos especialistas no tema do marranismo.

Seguiu então o provérbio judeu: “O que é mais verdadeiro que a verdade? Uma história” e criou uma ancestral fictícia para melhor mergulhar no mundo de seus antepassados.

Para amparar essa ficção, buscou cursos, livros e vivências no Brasil e no exterior com o ambicioso objetivo de escrever um romance histórico ambientado no século XVII em países europeus com personagens inseridos na cultura judaica.

Além deste livro, ela prepara a publicação de três livros de poesias, um livro sobre liderança e inovação, uma peça de teatro e um livro de crônicas onde vai relatar suas vivências nos países onde morou.

Katia mora hoje no interior de São Paulo com seu marido, Ayrton e sua cachorrinha Frida em uma casa gostosa, inundada por flores e visitada por amigos, vizinhos queridos, muitos pássaros, abelhas jataí e, eventualmente, pela sua amada filha, Érika, professora que vive em Curitiba.


A RELAÇÃO EDUCADOR-EDUCANDO: UM PROJETO PSICODRAMÁTICO BASEADO EM MORIN E MORENO, POR ROSA LIDIA PONTES

319_fique_1_2

Ainda hoje, pouco tempo e espaço são dedicados ao desenvolvimento dos aspectos relacionais entre educadores e alunos. Em consequência, diversos treinamentos e aulas realizados em instituições e empresas de caráter educacional oferecem uma metodologia mecânica, em que o saber e o sentir do educando são desconsiderados. Fundamentada nesse pensamento, Rosa Lidia Pontes propõe neste livro um novo paradigma educacional, integrando as ideias de dois grandes pensadores que se recusam a fragmentar o ser humano, reduzindo-o apenas à dimensão racional, e acreditam em um futuro para a humanidade e para o planeta calcado no diálogo profícuo entre os seres humanos: Edgar Morin e Jacob Levy Moreno.

Obra transdisciplinar e atual, dirige-se a educadores que desejam trabalhar mais eficazmente seus aspectos relacionais com seus aprendizes, considerando ambos seres dotados de razão, mas também de emoção; de mente, mas também de corpo.

Detalhes do produto

· Formato: eBook Kindle

· Tamanho do arquivo: 1521 KB

· Número de páginas: 105 páginas

· Editora: Editora Ágora; Edição: 1 (5 de março de 2018)

· Vendido por: Amazon Servicos de Varejo do Brasil Ltda