VENCENDO A SI MESMO – RAV EFRAIM BIRBOJM

358_história_3_1Vencer a si mesmo é a batalha mais difícil de nossas vidas, conforme ensinam os nossos sábios: “Quem é o valente? Aquele que conquista suas más inclinações”

“Em um reino distante vivia um rei sábio e corajoso. Todos os cavaleiros no reino possuíam um escudo sagrado e, de acordo com suas atitudes e seu heroísmo, o escudo poderia brilhar. O rei era tão bondoso e corajoso que seu escudo brilhava tão forte quanto a luz do sol.

Havia também no reino um jovem impetuoso, que esperava ansiosamente uma oportunidade para mostrar que era corajoso e, assim, fazer seu escudo brilhar. Quando os guerreiros do povoado vizinho atacaram aquele reino, o rei convocou todos os homens para irem à batalha. O jovem se empolgou, pois seria a esperada oportunidade de mostrar sua valentia. O rei determinava a função de cada um dos combatentes e, finalmente, quando chegou a vez do jovem, ele falou:

- Sua missão será muito importante. Você deverá ficar aqui no castelo para protegê-lo.

O jovem não podia acreditar. Queria ir para a frente de batalha, mostrar o quanto era corajoso! Que decepção! Porém, ele se conteve e permaneceu em silêncio. Seu coração doeu quando soaram as trombetas e a majestosa tropa, conduzida pelo rei, saiu em direção aos campos de batalha. Ele ficou sozinho, guardando o castelo.

Chegou então um ancião no portão do castelo e descreveu os difíceis combates no campo de batalha. Aflito, o jovem vestiu seus aparatos de guerra para ajudar seus companheiros. Mas, ao lembrar-se das palavras do rei, retirou os aparatos de guerra e disse para si mesmo: “Devo obedecer às ordens do meu rei. Devo ficar no castelo”.

Depois de algum tempo apareceu na porta do castelo uma senhora idosa e admirou-se de encontrá-lo lá, enquanto os soldados estavam no campo de batalha. Ela disse que sua obrigação era proteger o rei, pois a batalha estava difícil. Ao escutar isto, o jovem desembainhou sua espada, pegou seu escudo e preparou-se para sair. Porém, novamente as palavras do rei voltaram em sua cabeça e ele decidiu, mais uma vez, permanecer no castelo.

Pouco tempo depois, um moço surgiu na porta do palácio, gritando que o rei havia sido capturado. A batalha estava difícil e, sem o rei liderando as tropas, provavelmente o exército seria derrotado. A única chance seria algum cavaleiro destemido assumir o comando das tropas. Os olhos do rapaz brilharam, era a chance de sua vida. Ele montou em seu belo cavalo e cavalgou velozmente em direção à saída do castelo. Porém, quando os portões estavam começando a ser baixados, ele deu um forte grito: “Fechem as portas e levantem a ponte levadiça”. E pensou consigo mesmo: “Vou cumprir até o fim a palavra que eu dei ao meu rei”.

O jovem não percebeu, mas o moço que havia lhe trazido as más notícias, assim que se afastou, tirou seu disfarce e voltou à sua aparência original. As três pessoas que haviam trazido notícias sobre a guerra eram, na verdade, guerreiros inimigos disfarçados, que tentavam entrar no castelo convencendo o jovem a abrir os portões. As notícias das dificuldades na guerra eram falsas e, em pouco tempo, as trombetas anunciavam a volta triunfal dos guerreiros vitoriosos, liderados pelo rei. Se o jovem tivesse saído, o castelo teria caído nas mãos dos inimigos.

O jovem posicionou-se para recepcionar os guerreiros. Segurava seu escudo e sua espada enquanto os cavaleiros entravam. Porém, começou a perceber que todos olhavam fixamente para o seu escudo. Ele não podia imaginar que os guerreiros estavam admirando a beleza daquele escudo que, naquele momento, brilhava como o sol…”

Vencer a si mesmo é a batalha mais difícil de nossas vidas, conforme ensinam os nossos sábios: “Quem é o valente? Aquele que conquista suas más inclinações” (Pirkei Avót 3:1).


RAV EFRAIM BIRBOJM – Mestre em Engenharia pela Escola Politécnica da USP, começou seu processo de Teshuvá (retorno ao judaísmo) aos 25 anos, através da Instituição “Binyan Olam”. Saiba mais.

efraimbirbojm@gmail.com