SENTINDO A DOR DO PRÓXIMO COMO SE FOSSE SUA – RAV EFRAIM BIRBOJM

325_história_3_1Esta é, certamente, uma das maiores contribuições do povo judeu ao mundo: ensinar até onde pode chegar a nossa compaixão e a nossa misericórdia pelo próximo.


“O Rav Elazar Menachem Man Shach zt”l (Lituânia, 1899 – Israel, 2001), o Rosh Yeshivá (Diretor Espiritual) da Yeshivá de Ponovitch, em Bnei Brak, era um homem extremamente ocupado, tanto com os assuntos da Yeshivá quanto com o atendimento ao público em geral. Um rabino muito próximo dele percebeu que, mesmo quando a Yeshivá estava de férias e o Rav Shach não estava dando aulas, ele não aproveitava nem mesmo alguns dias para viajar um pouco e descansar. Então o rabino perguntou a ele:

- Rav, se os alunos não estão e não há aulas para dar, por que você não viaja um pouco para descansar?

O Rav Shach, abrindo um sorriso, respondeu:

- Além das aulas que eu dou na Yeshivá, as portas da minha casa estão sempre abertas para quem procura ensinamentos de Torá, respostas para suas perguntas, aconselhamentos ou simplesmente uma Brachá. Muitas pessoas querem dividir comigo os sofrimentos e dificuldades que estão passando na vida. Algumas pessoas eu consigo ajudar, outras infelizmente tudo o que eu posso fazer é escutá-las atentamente enquanto elas abrem seus corações. Porém, mesmo para estas pessoas, eu sei que apenas por estar escutando eu já estou ajudando a aliviar um pouco da carga que elas carregam.

- Por isso – continuou o Rav Shach – se eu sair para viajar, mesmo que seja por alguns poucos dias, o que as pessoas com problemas farão? Com que elas conversarão? Quem elas procurarão para abrir seus corações? Eu prefiro ficar aqui, caso alguém precise de mim”.

Durante a história, muitos judeus abriram mão do seu descanso e de sua comodidade em prol de ajudar outras pessoas. Esta é, certamente, uma das maiores contribuições do povo judeu ao mundo: ensinar até onde pode chegar a nossa compaixão e a nossa misericórdia pelo próximo.


RAV EFRAIM BIRBOJM – Mestre em Engenharia pela Escola Politécnica da USP, começou seu processo de Teshuvá (retorno ao judaísmo) aos 25 anos, através da Instituição “Binyan Olam”. Saiba mais.

Email: efraimbirbojm@gmail.com