ATO EM MEMÓRIA DAS VÍTIMAS DO HOLOCAUSTO REÚNE EM SP MAIS DE MIL PESSOAS | Glorinha Cohen

ATO EM MEMÓRIA DAS VÍTIMAS DO HOLOCAUSTO REÚNE EM SP MAIS DE MIL PESSOAS

O prefeito João Doria, o Senador José Serra, o Ministro Gilberto Kassab, o Governador Geraldo Alckmin e o Secretário Estadual Floriano Pesaro representados por Mendy Tal, o vereador Gilberto Natalini, Sandro Assayag representando o presidente da Hebraica e o prefeito de São José dos Campos, Felício Ramuth, dentre outras autoridades políticas e diplomáticas, participaram domingo, 28 de janeiro, do Ato Solene em Memória das Vítimas do Holocausto realizado pela Confederação Israelita do Brasil (Conib), Federação Israelita do Estado de São Paulo (Fisesp) e Congregação Israelita Paulista (CIP), na Sinagoga da CIP.

O Ato homenageou os seis milhões de judeus assassinados durante este trágico episódio da história, com o acendimento de seis velas por sobreviventes do Holocausto, representantes de outras comunidades, vítimas do nazismo e de perseguições, autoridades políticas, religiosas, institucionais e jovens.

“Fico sempre muito sensibilizado com a presença dos sobreviventes que comparecem a este Ato e trazem sua experiência viva nestes encontros. Este evento me lembra importantes lições de justiça, tolerância, compreensão e respeito, além da valorização da memória e a lembrança de heróis que ajudaram a salvar muitas vidas”, destacou o prefeito João Doria.

“A lembrança da dor e do sofrimento do Holocausto é fundamental para que não se repita no futuro. Os judeus pagaram um preço altíssimo e temos que honrá-los pela coragem, pelo sofrimento que passaram, e evitar que algo semelhante se repita com qualquer comunidade”, disse o Senador José Serra, que prestigia o evento desde a sua primeira edição.

“Este Ato reforça a importância de todos nós brasileiros relembrarmos o Holocausto, que foi um dos episódios mais bárbaros e tristes da história da humanidade. Além de homenagear as vítimas, precisamos ganhar força para termos um Brasil mais justo, solidário, humano, tolerante e respeitador dos direitos humanos”, complementou o ministro Gilberto Kassab.

“Foi em uma Europa moderna, civilizada e até então democrática, que ocorreram a guerra e o genocídio. Infelizmente, a intolerância, o racismo e antissemitismo não pararam por aí. Como uma frequência espantosa continuamos a ver em vários lugares do mundo a ocorrência de perseguições com base na origem, na crença ou no mero pertencimento a um grupo. É por isso que estamos aqui, para lembrarmos juntos o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto. Não estamos simplesmente olhando para trás, mas atentos ao que acontece no presente e buscando um futuro melhor para todos”, destacou o presidente da Conib, Fernando Lottenberg.

“O Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto será lembrado neste ano de 2018 com uma conquista: a inclusão do ensino do Holocausto na base curricular. Com isso, o Brasil passa a cumprir algumas das resoluções de organismos internacionais que cobram a obrigatoriedade do ensino do Holocausto, o que também é digno de registro”, complementou Lottenberg.

“A presença dos jovens dos movimentos juvenis deu um colorido especial ao evento. As novas gerações precisam ser as fiadoras da mensagem do Holocausto. Nunca mais para nenhuma minoria”, disse Ricardo Berkiensztat, presidente executivo da Federação Israelita do Estado de São Paulo.

Para Marcos Lederman, presidente da Congregação Israelita Paulista, “a incapacidade de uma sociedade respeitar a alteridade do próximo leva a perdas irreparáveis. No dia de hoje, reiteramos nosso absoluto compromisso com o enfrentamento desta questão, participando, ativamente, para o fortalecimento de uma sociedade mais igualitária, justa e que respeite e valorize, acima de tudo, a diversidade”.

Joshua Strul foi homenageado, representando os sobreviventes que participaram do ato “Nascido em 1933, em Moldova, na Romênia, Strul foi confinado por dois anos em um Gueto, juntamente com seus pais e seis irmãos, enquanto aguardavam a deportação para o Campo de Concentração de Auschwitz. “Por uma providência divina, não chegamos a ser deportados para o Campo de Concentração. Toda nossa família sobreviveu e construí minha família aqui no Brasil, um país maravilhoso que nos acolheu”, relatou o sobrevivente, que foi efusivamente aplaudido. Ele recebeu das mãos de Eduardo El Kobbi, presidente do KKL Brasil, um certificado de que um plantio de árvores foi realizado em sua homenagem em Israel.

O Ato foi conduzido pelos rabinos Michel Schlesinger, Ruben Sternschein e Fernanda Tomchinski e contou com a participação dos chazanim Avi Burstein e Gerson Herszkowicz, do Coral da Hebraica, sob regência do Maestro Leon Alegua, além dos jovens do projeto “Remember Us” da CIP, que encantaram a todos, cantando em ídiche.

No hall da entidade aconteceu a exposição “Além do Dever – Diplomatas reconhecidos como Justos entre as Nações”, produzida pelo Yad Vashem (Museu do Holocausto de Israel) e que está sendo trazida pelo Consulado Geral de Israel em São Paulo.

Ao final da cerimônia, os mais de 250 jovens que participaram do evento, foram representados com a leitura de um manifesto onde destacam a importância de que suas vozes sejam ouvidas.

O evento contou com o apoio da Agência Judaica para Israel, A Hebraica, Arq Shoa, B’nai B’rith, Beth-El, Comunidade Shalom, Consulado Geral de Israel em São Paulo, Fundo Comunitário, KKL Brasil, Sherit Hapleitá, Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein e Unibes.

O que é o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto

A Assembleia Geral das Nações Unidas aprovou em 2005 uma Resolução, instituindo 27 de janeiro como o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto. A data é uma homenagem aos seis milhões de judeus e às outras vítimas da exterminação nazista. A resolução rejeita qualquer questionamento de que o Holocausto foi um evento histórico, enfatiza o dever dos Estados-membros de educar futuras gerações sobre os horrores do genocídio e condena todas as manifestações de intolerância ou violência baseadas em origem étnica ou crença.

Em São Paulo, a lei que institui um dia em memória das vítimas do Holocausto, é de autoria do então vereador e hoje Secretário Estadual de Desenvolvimento Social e Deputado Federal Floriano Pesaro e foi sancionada pelo prefeito Gilberto Kassab, no dia 12 de dezembro de 2009.
Crédito fotográfico: Eliana Assumpção

307_first_1_1Prefeito João Dória, Fernando Lottenberg, Gilberto Kassab, José Serra e Ricardo Berkiensztat

307_first_1_2John e Nanette Konig, sobreviventes do Holocausto

307_first_1_3Laura Feldman, o presidente da Cip Marcos Lederman, Glorinha Cohen e Eve Pekelman

307_first_1_4Milton Seligman

307_first_1_5 O sheik Houssam El Boustano e o rabino Michel Schlesinger

307_first_1_6O prefeito João Doria acende uma das velas com políticos e autoridades

307_first_1_7 O sobrevivente do Holocausto Joshua Strul

307_first_1_8Vivian e Marcos Lederman, Nancy e Fernando Lottenberg

307_first_1_9 Os rabinos Ruben Sternschein e Michel Schlesinger recebem a monja Coen

307_first_1_10Rabino Michel Schlesinger, Fernando Lottenberg, Gustavo Hallbreich e Tereza Collor

307_first_1_11 Sergio Napchan, diretor da Conib, e rabino Ruben Sternschein

307_first_1_12Rabina Fernanda Tomchinsky

307_first_1_13Denise Antão, presidente da Unibes, Ricardo Berkiensztat, José Serra e Marcos Lederman

307_first_1_14Mendy Tal, representando o Governador Geraldo Alckmin e o Secretário Floriano Pesaro acende uma das velas ao lado de José Serra e demais autoridades.

307_first_1_15Dr. Sidney Klajner, presidente do Hospital Albert Einstein, Fernando Lottenberg e Gilberto Kassab

307_first_1_16Eduardo El Kobbi e Fernando Lottenberg

307_first_1_17João Doria, Fernando Lottenberg e o Embaixador Yossi Shelley

307_first_1_18 Sandro Assayag, representando o presidente da Hebraica de São Paulo