CONVERSANDO COM O DR. LUIZ CUSCHNIR

LuizC


Espaço para o leitor interagir diretamente com o profissional, enviando suas perguntas. Elas serão respondidas com preservação de sua identidade.

P - Gostaria de saber se todo homem que você atende trai. Todo homem gosta ou pensa em prostitutas? O que faz um homem abandonar uma família para morar com prostituta? Todo homem procuram e respeita as prostitutas? M., 38 anos.

R – M., com certeza nem todo homem trai nem procura prostitutas. Hoje em dia, com os novos paradigmas da sociedade, tanto masculinos como femininos, as relações sexuais podem ocorrer de uma maneira mais aberta mesmo que menos comprometida, como por exemplo, entre conhecidos, colegas ou encontros casuais. Quando há o abandono da família, nesses casos, pode estar havendo um desequilíbrio emocional ou conflito conjugal importante que propicia esta situação. Homens muito frustrados e ao mesmo tempo com conflitos emocionais diversos podem se envolver em uma situação assim e em um determinado momento estão seqüestrados por essa relação. Na minha experiência este tipo de relação se desgasta e há muitos danos para todos os envolvidos com ele, principalmente familiares próximos. Especificamente o respeito a prostitutas pode haver por características pessoais, pois muitas vezes elas mobilizam culpa e ao mesmo tempo pena pela vida que levam e assim podem tratá-las bem por isso. Abcs, Luiz


- Adoro suas matérias e elas me ajudam em momentos de crise (rsrs.)

Gostaria de saber se um homem pode cair fora ao se sentir pressionado para casar. Tenho 20 anos e até uma semana atrás namorei um homem de 52 anos, que era separado há dois anos. Namoramos durante 10 meses. Viajamos muito…eu passava todos os finais de semana na casa dele e também dormia lá algumas vezes da semana.

Estávamos num ritmo bom até que minha mãe nos pressionou. Ela disse que ele só me queria como companheira de diversão e que se ele quisesse viajar e dormir comigo, ele teria que me assumir de vez e morar junto comigo.

A partir daí meu namoro desandou, há dois meses ele está me evitando e não quer mais me namorar. Disse que tinha acabado de sair de uma separação traumática (há dois anos, a ex mulher dele o trocou por outro homem) e que tinha medo errar de novo. Disse que me amava, mas que não estava preparado para morar junto comigo porque ele ainda está traumatizado (sem contar o fato de que ele é super inconstante).

Desde então ele sumiu, não dá mais notícias e não faz questão de ficarmos juntos. Eu, como uma mulher mal resolvida (se fosse, não estaria escrevendo este e-mail), não me conformo com o fim do namoro. Apesar da idade eu o amava demais, me entreguei de corpo e alma e só fiz por agradá-lo.

Minha mãe diz que se ele gostasse de mim ele me assumiria de vez. Afinal, vivíamos uma vida de casados, mas cada um na sua casa sabe?

Esse divórcio o traumatizou ao ponto de não querer morar com uma pessoa? Seria esse o motivo suficiente para ele cair fora? Ou ele realmente não gosta de mim? Às vezes acho  que ele não me ama porque isso não é um motivo suficiente para ele cair fora.

Desde já agradeço, K., 20 anos

R – K., o que eu posso te dizer? O que pude captar que me chama muita atenção é que vocês têm realidades muitíssimo diferentes. A experiência dele com certeza dá chances dele duvidar de si próprio de que conseguiria iniciar um percurso de vida com uma pessoa tão jovem como você. Por mais que você se sente madura ou que o ama imensamente, a tua experiência não corresponde a ter um compromisso com alguém nas condições que ele apresenta (idade, divórcio anterior, inconstância dele) além ser ainda muito cedo para você te certeza que é esse tipo de relação que você pode esperar de um homem. Você pode estar fascinada pelo que ele te proporciona como a casa, viagens e programas que ele pode te oferecer, mas me dá a impressão que está pulando etapas na tua vida. Acho que vai ser difícil você esquecê-lo simplesmente e eu te recomendaria fazer uma boa terapia para lidar com todos os sentimentos que ficaram marcados em virtude dessa relação tão intensa.

Te desejo o melhor, Luiz


LUIZ CUSCHNIR – Psiquiatra, psicoterapeuta. Saiba mais.