LIVES IMPERDÍVEIS                        

Rafael Stern fala sobre florestas no Weizmann Live Talks, Célia Parnes sobre “A parceria público-privada nos programas sociais” no Alive na Quarentena da Câmara Brasil-Israel, Ernesto Paglia com o rabino Michel Schlesinger no evento Dilemas Éticos da CIP debatem sobre o papel e os bastidores da imprensa durante a Covid-19, Fernando Lottenberg aborda o antessemitismo e Arthur Mizne divide a tela com Ivan Kraiser para explicar como ficará o mercado financeiro pós pandemia na live da Câmara Brasil-Israel.


CONEXÃO WEIZMANN & JOVENS CIENTISTAS BRASILEIROS

358_first_1_1O Grupo de Amigos do Weizmann realizou o Weizmann Live Talks – encontro virtual, com Rafael Stern, jovem doutorando do Instituto Weizmann de Ciências, que falou sobre “Florestas: uma solução climática”.

Rafael deu detalhes sobre a sua pesquisa focada em alterações climáticas, interações entre os diferentes tipos de vegetação e as condições variadas do ambiente. “As florestas têm muitos benefícios, mas também um preço a pagar. É preciso conhecer bem esse custo para que sejam tomadas as melhores decisões, pois a vegetação tem um papel fundamental no equilíbrio do planeta”, disse ele.

Ele relatou que assim que começou seu trabalho no Weizmann, a primeira coisa que teve que fazer foi tirar a

carteira de motorista de caminhão. Agora utiliza um laboratório móvel dentro de um caminhão que ele mesmo conduz para testar como se adaptam os diferentes tipos de vegetação às condições variadas do ambiente.

Aproveitando esse período de quarentena, os Amigos do Weizmann do Brasil realizam a série de palestras online Weizmann Live Talks reunindo cientistas do Weizmann e jovens brasileiros que estão escrevendo o presente e o futuro da ciência. Uma iniciativa do grupo de ex-bolsistas da Escola de Verão do Weizmann que visa, a partir da experiência única que tiveram no programa, levar mais longe o conhecimento e a interação entre jovens cientistas do Weizmann e jovens brasileiros interessados em ciência.

Os encontros trazem interação, estreitamento de laços, inspiração e muita troca científica entre o Weizmann e o Brasil, especialmente neste ano de 2020 que marca e destaca a importância da ciência e das colaborações internacionais na busca de soluções para benefício da humanidade.

A palestra está disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=Nkh3cU9GWDM


“A PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA NOS PROGRAMAS SOCIAIS” FOI O TEMA DO DEBATE DA CÂMARA BRASIL-ISRAEL COM CELIA PARNES

358_first_1_2Célia Parnes, Secretária Estadual de Desenvolvimento Social de São Paulo, foi a convidada do Alive na Quarentena, realizada pela Câmara Brasil – Israel de Comércio e Indústria (Bril Chamber) com o tema “A parceria público-privada nos programas sociais”.

Durante o debate online, Celia deu detalhes sobre sua trajetória, desde quando fez seu primeiro trabalho voluntário na Unibes, entidade da qual se tornou presidente anos mais tarde, até receber o convite do governador João Doria para integrar a Secretaria Estadual de Desenvolvimento Social de SP. Ela também ressaltou como a pandemia mudou a lógica da Secretaria, que agora tem como foco os mais fragilizados e ações voltadas a segurança alimentar e sanitária, econômicas e sociais.

A secretaria também destacou a importância da iniciativa privada e de como os empresários têm estado lado a lado com o governo. “A pandemia fez com que diversos empresários percebessem que o governo é um ótimo parceiro nas ações sociais, e esta aproximação tem sido muito benéfica para os dois lados. Espero que essa união tenha continuidade mesmo após a pandemia”.

358_first_1_3Ao final da live, Celia Parnes deixou uma mensagem estimulando os jovens a se dedicarem ao Terceiro Setor: “os jovens de hoje querem fazer algo que tenha propósito e impacto, e eu ressalto que começar um trabalho voluntário “carregando caixas” também tem seu valor e vai impactar nas ações sociais”.

A live está disponível nas redes sociais da Câmara Brasil-Israel:

Facebook: @brilchamber

You Tube: bril chamber


ERNESTO PAGLIA DESTACOU O PAPEL E OS BASTIDORES DA IMPRENSA EM LIVE COM RABINO MICHEL SCHLESINGER

358_first_1_4Ernesto Paglia que trabalha há mais de 40 anos na Rede Globo e foi correspondente internacional em Londres e em Israel, debateu com o rabino Michel Schlesinger, da Congregação Israelita Paulista (CIP) sobre o papel e os bastidores da imprensa durante a Covid-19, no evento Dilemas Éticos.

Durante o bate-papo, que teve tradução em libras e transmissão ao vivo pelos canais digitais da CIP, Paglia destacou o impacto global das evoluções tecnológicas e como nos afeta o fato de estarmos 24 horas conectados à Internet, as manifestações nos Estados Unidos por conta da morte de George Floyd, o limite entre divulgação de fake news e censura, bem como os desafios que vem sendo enfrentados pela imprensa, inclusive durante a cobertura da pandemia.

“Somos 7 bilhões de pessoas e mais da metade do planeta está conectado à Internet. Hoje, temos condições de acompanhar os fatos enquanto eles acontecem do outro lado do mundo, como por exemplo a imobilização que matou o americano George Floyd, levando a manifestações em todo o mundo. O grito da discriminação, da exclusão e da violência vem ecoando há séculos, e as frustrações que estão sendo trazidas pela pandemia foram o gatilho para essa onda de manifestações”, destacou Paglia.

“Por tudo o que o povo judeu já passou, temos que levantar nossa voz contra qualquer ato de preconceito e reforçar nossa luta por um mundo mais tolerante e pluralista”, complementou o rabino Michel.

O repórter especial da TV Globo, destacou ainda os desafios pelos quais o jornalismo vem passando, como a onda de informações falsas e equivocadas, muitas das quais vem sendo propositalmente disseminadas. “a mesma tela que mostra o gatinho, traz também o post do jornalista e as fake news, cabe ao receptor saber filtrar e apurar as informações antes de repassar”.

Ao final do debate, Paglia deu detalhes sobre a época em que cobriu a segunda intifada em Israel. “Infelizmente não tive oportunidade para fazer turismo, mas tive uma experiência muito enriquecedora e acredito que Israel representa um grande desafio à humanidade, cuja própria criação foi cercada de controvérsias. Tive a honra de entrevistar o então primeiro ministro Shimon Peres, e como grande diplomata ele me disse que o Brasil tinha muito a ensinar a Israel, principalmente pela convivência harmoniosa entre os países do Mercosul.

O evento Dilemas Éticos é uma realização da Congregação Israelita Paulista (CIP) e conta com o patrocínio de: Itaú-Unibanco, CSN, Bemol, GR Segurança, Focus Energia, Helbor e Rosset e apoio da Unibes Cultural e Lei Federal de Incentivo à Cultura.

Confira o debate em:

FERNANDO LOTTENBERG FALA SOBRE ANTISSEMITISMO EM TEMPOS DE PANDEMIA EM LIVE DA COMUNIDADE BETH-EL

358_first_1_5

[+]
O presidente da Conib, Fernando Lottenberg, participou de uma live promovida pela comunidade Beth-El. Com abertura do rabino Uri Lam e mediação do diretor geral da Conib e vice-presidente da Beth-El, Sergio Napchan, Lottenberg discorreu sobre o tema “Antissemitismo em Tempos de Pandemia”.

Antes de entrar no tema do encontro, o presidente da Conib fez uma apresentação sobre a instituição teto da comunidade judaica, que é formada pelas 14 federações israelitas estaduais existentes no País e mostrou algumas das ações feitas para garantir os interesses e bem-estar da coletividade.

Depois de fazer uma contextualização histórica sobre o antissemitismo, Lottenberg falou sobre o que acontece em tempos atuais, com manifestações distintas de discriminação e ódio aos judeus. Ele listou três tipos diferentes de manifestações antissemitas: a clássica, defendida pela extrema direita, que é a adotada, por exemplo, por nazistas e supremacistas; a adotada pela extrema esquerda, que tem viés anti-Israel, e uma terceira vertente, mais recente, nascida no fundamentalismo islâmico, que faz uma simbiose entre preceitos religiosos e política. O ataque a um supermercado kasher na França, na esteira do atentado ao jornal satírico Charlie Hebdo, é um exemplo. “É um quadro complexo, e é preciso ter clareza do que se está enfrentando. Porque as armas para combater cada um deles não são as mesmas”,, disse Lottenberg.

Os principais players internacionais da Conib no combate ao antissemitismo são o Congresso Judaico Mundial (CJM), Comitê Judaico Americano (AJC), e a Liga Anti-difamação (ADL). “Temos procurado internacionalizar a nossa ação”, explicou Lottenberg. “Aprendemos com eles e também mostramos o Brasil. Não podemos ser provincianos e achar que o nosso mundo nos basta. Temos que mostrar a nossa cara”.

O discurso de ódio também é uma realidade e é motivo de ações da Conib que criou, recentemente, em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (Centro de Ensino e Pesquisa em Inovação da FGV Direito/SP -CEPI) o “Guia para Análise de Discurso de Ódio”. O guia visa esclarecimento conceitual do discurso de ódio e espera auxiliar na identificação, avaliação, regulação e sancionamento desse tipo de manifestação. “O discurso de ódio é a nova face do discurso de discriminação. Ele prolifera nas redes sociais e a regulação das redes ainda é precária ao nosso ver”, disse Lottenberg.

Entre outros assuntos, o presidente da Conib falou também sobre o antissemitismo neste momento de pandemia. Os números apontam um crescimento. De acordo com um estudo recente do Congresso Judaico Mundial, posts com conteúdo antissemita são publicados nas redes sociais 43 vezes por hora – ou a cada 83 segundos. E que o momento de crise, tanto de saúde como econômica, em que os ânimos se exacerbam, é propício para a busca de bodes expiatórios. “Mais do que nunca é preciso redobrar os alertas”, acredita Lottenberg que fala sobre a necessidade de a comunidade se manter unida. “Manter a nossa unidade. Porque, infelizmente, existem aqueles que entre nós procuram nos dividir. Nós somos plurais, a gente vê a comunidade como uma pluralidade de indivíduos com pensamentos distintos. A Conib tem que ser aquele lugar de representatividade geral. Aqueles que nos combatem procuram pontos de divisão. A melhor resposta é a nossa união. Sem ela, não vamos prosperar”, finalizou.

Assista a íntegra.


AGORA É POSSÍVEL TER UM EMPREGO EM QUALQUER LUGAR DO MUNDO, DESTACAM ESPECIALISTAS EM LIVE DA CÂMARA BRASIL- ISRAEL

358_first_1_6Como ficará o mercado financeiro pós pandemia? Para debater esse tema relevante a Câmara Brasil-Israel (BRIL Chamber) realizou um debate online com os especialistas Arthur Mizne, fundador da M Square, e Ivan Kraiser, da Garín Investimentos.

Mizne sediado em Londres, trouxe uma visão global sobre os reflexos da crise financeira pós pandemia, enquanto Kraiser destacou os impactos no Brasil. Juntos debateram sobre os mercados globais, o stress cambial, a situação das empresas e start-ups, bem como as mudanças nas modalidades de investimento, entre outros temas.

“Em 30 anos de mercado financeiro, nunca vi tamanho stress na economia. Enquanto o mercado de entretenimento, as companhias aéreas e as agências de viagens, saíram perdendo nessa crise, as empresas de tecnologia, comércio eletrônico e o setor exportador (principalmente de minério, celulose e proteínas) saíram ganhando”, destacou Ivan.

Para Arthur, “a digitalização já era uma tendência. As empresas que já tinham este foco, aceleraram o processo, enquanto as que já vinham em desaceleração, como grandes lojas de departamento e Shoppings Centers, decaíram rapidamente”.

Eles também deixaram uma mensagem para quem está ingressando no mercado: “O home office e as reuniões remotas já se tornaram uma realidade. Agora vocês podem procurar emprego na empresa dos seus sonhos em qualquer lugar do mundo!”.

Facebook20
Share
Instagram20
WhatsApp20