Michel Temer é imortal paulista

A ACADEMIA PAULISTA DE LETRAS deu posse solene a MICHEL TEMER, que passou a ocupar a Cadeira 20, vaga com a morte da dramaturga, romancista, contista e ensaísta RENATA PALLOTTINI.

A cerimônia presidida pelo Presidente JOSÉ RENATO NALINI realizou-se na sede do Largo do Arouche, a que estiveram presentes centenas de familiares e amigos do novo imortal.

Compuseram a mesa dos trabalhos a Diretoria da ACADEMIA, o Presidente JOSÉ RENATO NALINI, o Secretário-Geral GABRIEL CHALITA, que atuou como Mestre de Cerimônias, o Secretário ANTONIO PENTEADO MENDONÇA, mais o Presidente Emérito e Decano da ACADEMIA, IVES GANDRA DA SILVA MARTINS, o representante da Academia Brasileira de Letras, poeta CARLOS NEJAR, o Presidente do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, Desembargador RICARDO MAIR ANAFE, o Ministro do STJ – Superior Tribunal de Justiça, PAULO DIAS DE MOURA RIBEIRO, o Prefeito de São Paulo, RICARDO NUNES, o bi-acadêmico CELSO LAFER, que saudou o empossando e o próprio novo Acadêmico, MICHEL TEMER.

A saudação de CELSO LAFER, considerada obra preciosa, como são todas aquelas produzidas pelo ex-Chanceler, o grande pensador brasileiro de tanta influência na vida intelectual do país, recordou toda a vida do menino de Tietê, que com seu irmão Fued Temer chegou às Arcadas, onde desde logo mostrou sua propensão para a política. Recordou que o livro “Elementos de Direito Constitucional” é essencial para todos os estudantes de Direito e ganhou dezenas de sucessivas reedições. Mas TEMER também produziu poesias, escrevendo os versos nos guardanapos de suas inúmeras viagens pelo planeta, tudo convertido no livro “Anônima Intimidade”, além de ensaios, obras de fôlego com a narrativa de suas incursões pela vida brasileira.

TEMER é um dos pupilos de FRANCO MONTORO, de quem foi Secretário da Segurança, mas também atuou na Procuradoria Geral do Estado, sendo titular de pasta equivalente à de Secretário. Presidiu por diversas vezes a Câmara Federal, sua liderança se impôs porque é um diplomata, pessoa afável e polida, que nunca resvalou por grosseria, maus modos ou comportamento que se afastasse de padrões civilizatórios ideais.

Chegou à Presidência da República e foi responsável por medidas que foram fundamentais para a retomada do desenvolvimento e mais teria feito, não fossem as vicissitudes da política partidária tupiniquim, cujos altos e baixos não são exatamente os desejáveis.

Usaram ainda da palavra o Acadêmico CARLOS NEJAR, que trouxe o abraço da Academia Brasileira de Letras ao novo imortal, enaltecendo suas qualidades de intelectual consistente, sereno e afável. IVES GANDRA DA SILVA MARTINS, na condição de hoje Decano da ACADEMIA PAULISTA DE LETRAS, após à partida de LYGIA FAGUNDES TELLES, fez um discurso vibrante, dizendo que MICHEL TEMER é a personalidade capaz de trazer a paz para um Brasil tão necessitado dela.

O discurso do empossando MICHEL TEMER foi o ponto alto da cerimônia, em estilo muito franco, direto, objetivo, conciso e coloquial. Fez o elogio dos antecessores, principalmente de RENATA PALLOTTINI, que inclusive foi uma das poucas mulheres que chegaram a cursar a São Francisco, antes de se dedicar à dramaturgia e ser professora da ECA-USP. Muito carinhoso em relação a essa Cadeira 20, de tão belas memórias na cultura bandeirante: seu patrono é José Ezequiel Freire de Lima, o fundador foi Reynaldo Porchat, sucedido por José Soares de Melo e Hernani Donato, cujo centenário é celebrado em 2022, antes de ser titularizada por RENATA PALLOTTINI. Seu lema no livro dos 110 anos de existência da Casa de Cultura por Excelência do Largo do Arouche é “A vida vale a dor da tentativa”.

TEMER contou que, menino ainda, sonhava ser escritor. Ávido leitor de tudo o que lhe caísse às mãos, leu todos os clássicos da literatura portuguesa e brasileira. Alimentou, de forma anônima, o sonho de se tornar acadêmico e aquela noite de 26 de maio de 2022, foi para ele a concretização de um projeto acalentado durante várias décadas.

Foi muito aplaudido, em pé, por todos os presentes ao auditório da APL e encerrou o seu discurso naquela noite de quinta-feira, com a inafastável mesóclise: Amanhã, “Sextar-me-ei!”.

O Presidente JOSÉ RENATO NALINI entregou o diploma ao novel acadêmico e as insígnias foram objeto de atuação de sua esposa, Marcela e de suas filhas Luciana, Clarissa e Maristela.

A posse do Ex-Presidente da República, hoje insistentemente conclamado a se converter na chamada “terceira via”, foi prestigiada por inúmeras autoridades e personalidades da vida pública nacional. Dentre eles podem ser mencionados o Vice-Presidente do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, Desembargador GUILHERME GONÇALVES STRENGER, o Decano do TJSP, Desembargador JOSÉ CARLOS GONÇALVES XAVIER DE AQUINO, os Desembargadores JOSÉ MARIA CÂMARA, Diretor da Escola Paulista da Magistratura, KLÉBER LEYSER DE AQUINO, MARCO ANTONIO MARQUES DA SILVA, ARMANDO SÉRGIO PRADO DE TOLEDO e NEWTON DE LUCCA, Ministros TORQUATO JARDIM e ROBERTO ROSAS, o Presidente da FIESP, JOSUÉ CRISTIANO GOMES DA SILVA, ALINE TORRES, Secretária Municipal de Cultura, JOÃO GRANDINO RODAS, Ex-Reitor da USP, DORA SILVIA CUNHA BUENO, Presidente da Associação Paulista de Fundações e ANTONIO HENRIQUE DA CUNHA BUENO, ex-Deputado e Secretário da Cultura de São Paulo, Dom EDGAR MADI, Arcebispo Maronita do Brasil, Cônsul Geral dos Emirados Árabes IBRAHIM SALEM ALAWI, Senador JOSÉ ANÍBAL, ROMEU CHAP-CHAP, Vereadoras EDIR SALES e JANAINA LIMA, Juiz THIAGO ELIAS MASSAD, Vice-Presidente da APAMAGIS, Associação Paulista de Magistrados, ADILSON DE ABREU DALLARI, RICARDO GANDOUR, EDUARDO CARNELÓS, ANTONIO CORREA MEYER, ANGELA e ANTONIO CLÁUDIO MARIZ DE OLIVEIRA, ele representando a OAB-SP, LUIZ FLÁVIO BORGES D’URSO, Presidente da Academia Brasileira de Direito Criminal, FREDERICO MASCARENHAS, Chefe de Gabinete do Secretário SÉRGIO SÁ LEITÃO, MARCOS MONTEIRO, Secretário Municipal de Infraestrutura e Obras de SP, VICENTE ROSALIA, MARCOS GADELHO, Secretário Municipal de Urbanismo e Licenciamento, MILED KHURY, Cônsul Honorário do Líbano no Brasil, o amigo JOSÉ YUNES, CARLA JAZZDS, Embaixadora do Líbano, JOSÉ VICENTE, Reitor da Universidade Zumbi dos Palmares, LÚCIO ALCÂNTARA, Presidente da Academia Cearense de Letras, considerada a mais antiga do Brasil, ADRIANO QUERCIA, representando a Secretaria da Cultura de São Paulo, ANTONIO PADRON, EUNICE PRUDENTE, Secretária Municipal de Justiça, HELIO BEGLIOMINI, Presidente da Academia Cristã de Letras, HELENO TAVEIRA TORRES, Superintendente de Relações Institucionais da USP, que representou o Magnífico Reitor CARLOS GILBERTO CARLOTTI JÚNIOR, RAQUEL CHINI, Prefeita de Praia Grande, SILVIA MELO, Presidente da UVESP, Coronel EDUARDO DE OLIVEIRA FERNANDES, representando a Polícia militar de São Paulo, Coronel WASHINGTON LUIZ GONÇALVES PESTANA, FERNANDO PASSOS, Presidente da Academia Araraquarense de Letras, CARLOS ANTONIO LUQUE, Presidente da FIPE – Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, LUIZ CARLOS ZAMARCO, Secretário Municipal da Saúde, FABRÍCIO DE LIMA PIERONI, Presidente da Associação dos Procuradores do Estado de São Paulo, JOSÉ HORACIO HALFELD, Juiz do Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo, VINICIUS LUMMERTZ, Secretário de Estado de Turismo e Viagens, e muita gente mais. Os cumprimentos se estenderam por horas, a evidenciar o apreço que São Paulo e o Brasil devotam ao Presidente MICHEL TEMER, hoje Acadêmico da Cadeira 20 da ACADEMIA PAULISTA DE LETRAS.

UM POUCO DA APL

A ACADEMIA PAULISTA DE LETRAS foi fundada em 27 de novembro de 1909, seguindo o modelo das Academias inspiradas inicialmente no Jardim de Akademus de Platão e, posteriormente, na Academia Francesa, criada pelo Cardeal Richelieu no século XVII.

Pouco antes, em 1897, Machado de Assis criara a Academia Brasileira de Letras, pretendendo que os intelectuais fizessem contraponto à República instaurada em 1889, e que não primava por oferecer os melhores exemplos de condução ética da coisa pública.

Nesses quase 113 anos de atividade ininterrupta, a ACADEMIA PAULISTA DE LETRAS foi a Casa por excelência da Cultura Bandeirante, pela qual passaram legendas brasileiras como BRASÍLIO MACHADO, JOSÉ CARLOS DE MACEDO SOARES, MIGUEL REALE, FRANCO DA ROCHA, MÁRIO DE ANDRADE, WASHINTON LUIZ PEREIRA DE SOUZA, LUCAS NOGUEIRA GARCEZ, GOFFREDO TEIXEIRA DA SILVA TELLES, IGNÁCIO DA SILVA TELLES, PLÍNIO SALGADO, ADA PELLEGRINI GRINOVER, PAULO SETÚBAL, AFONSO SCHMIDT, CASSIANO RICARDO, RENÉ DE CASTRO THIOLLIER, MARIA DE LOURDES TEIXEIRA, LUIS ARROBAS MARTINS, PEDRO CHAVES, SUD MENUCCI, ERNESTO LEME, YAN DE ALMEIDA PRADO, RUBENS TEIXEIRA SCAVONE, ROBERTO SIMONSEN, IBRAHIM NOBRE, ODILON DA COSTA MANSO, GUILHERME DE ALMEIDA, INEZITA BARROSO, ANTONIO ERMÍRIO DE MORAES, JOSÉ AUGUSTO CESAR SALGADO, JÚLIO DE MESQUITA FILHO, ANTONIO SOARES AMORA, JOSÉ MINDLIN, ALTINO ARANTES, JOSÉ FREDERICO MARQUES, PAULO BOMFIM, AFONSO TAUNAY, SÉRGIO BUARQUE DE HOLANDA, ESTHER DE FIGUEIREDO FERRAZ, VICENTE DE CARVALHO, MONTEIRO LOBATO, MENOTTI DEL PICCHIA e tantos outros. Elegeu, antes da Brasileira, uma mulher: PRISCILIANA DUARTE DE ALMEIDA, e depois MARIA DE LOURDES TEIXEIRA.

O mais importante em relação à ACADEMIA PAULISTA DE LETRAS, é que ela congrega intelectuais consagrados, mas prima por ser uma Casa de Bom Convívio. Dentro dela imperam a polidez, a cordialidade, a serenidade nas discussões e todos se chamam “confreiras” e “confrades”, exatamente porque se consideram “irmãos” nessa permanente cruzada na defesa do vernáculo, da literatura, da leitura e da cultura em geral.

Hoje, completa com a eleição de DJAMILA RIBEIRO para suceder LYGIA FAGUNDES TELLES, a relação dos acadêmicos bandeirantes, por ordem de antiguidade na Casa, é a seguinte: IVES GANDRA DA SILVA MARTINS, LUIZ CARLOS LISBOA, TERCIO SAMPAIO FERRAZ JÚNIOR, FÁBIO LUCAS, BOLÍVAR LAMOUNIER, JOSÉ RENATO NALINI, JOSÉ PASTORE, ANTONIO PENTEADO MENDONÇA, GABRIEL BENEDITO ISSAAC CHALITA, MIGUEL REALE JÚNIOR, IGNÁCIO DE LOYOLA BRANDÃO, RUTH ROCHA, JORGE CALDEIRA, WALCYR CARRASCO, PAULO NATHANAEL PEREIRA DE SOUZA, DOM FERNANDO ANTONIO FIGUEIREDO, JÚLIO MEDAGLIA, RAUL CUTAIT, MAURÍCIO DE SOUSA, JOSÉ GREGORI, EROS ROBERTO GRAU, JOSÉ FERNANDO MAFRA CARBONIERI, JUCA DE OLIVEIRA, JOSÉ GOLDENBERG, CELSO LAFER, ROBERTO DUAILIBI, JOSÉ DE SOUZA MARTINS, RAUL MARINO JÚNIOR, JÔ SOARES, SYNESIO SAMPAIO GOES FILHO, MÁRCIO SCAVONE, JOÃO CARLOS MARTINS, RUBENS BARBOSA, MARIA ADELAIDE AMARAL, JOÃO LARA MESQITA, LEANDRO KARNAL, MICHEL TEMER, BETTY MILAN, MARY DEL PRIORE e DJAMILA RIBEIRO.

Facebook20
Share
Instagram20
WhatsApp20